quinta-feira, 20 de novembro de 2008

MEU NEGÓCIO É APARECER...

O desejo de reputação ou respeito religioso tem nos arrastado, de uma forma instantânea, à justiça dos escribas e fariseus. A verdade é que esse desejo se concentra
sempre nos atos visíveis, e não na origem dos atos, no coração. Os escribas e fariseus, segundo Jesus, praticavam, todas as suas obras com o fim de serem vistos pelos homens; pois alargavam os seus filactérios e alongavam as suas franjas. Amavam o primeiro lugar nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas, as saudações nas praças, e o serem
chamados mestres pelos homens
(Mt 23.5-7).

Neste post pretendo demonstrar que lamentavelmente tal atitude ainda persiste em
nosso meio assumindo duas formas: Uma busca por títulos “rápidos”, mas grandiosos; e o
exibicionismo, em especial nos automóveis. Não estou neste artigo fazendo referencia aos
pastores que maneira própria e honesta foram aprovados por alguma convenção.
Também não estou me referindo aos mestres e doutores que literalmente “ralaram” em
seus cursos teológicos e honestamente adquiriram tais privilégios, os quais merece nossa maior
consideração. Refiro-me as distorções advindas do orgulho e da idolatria. Vejamos:

Uma Busca Desenfreada Por “Títulos Grandiosos”

É assombroso como o apetite por títulos e recompensas na vida religiosa, em
particular a “evangélica” tem assumido proporções que chegam mesmo as raias do
ridículo. Uma demonstração dessa triste realidade é a criação e proliferação de novos
títulos nas diversas denominações para descrever os “superministérios”, poderíamos dizer
os “mais grandes”. Digo “mais grande” por que no Reino de Deus não existe maior, por
isso uso o termo “mais grande” onde até a forma lingüística está errada...

É oportuno lembrar que essa “onda” começou com o título de bispo, porém com o
surgimento rápido de várias “igrejas”, esse título acabou ficando comum.
Nesta perspectiva, vários líderes que já eram “bispos”, não contentes com esse título, porque o
mesmo já não representava a “majestade” de seus ministérios, se autoconsagraram “apóstolos”,
e até criaram um conselho mundial dos apóstolos em que dividiram o planeta em doze ministérios... Ao que parece logo, vai faltar espaço. Fico imaginando qual será o próximo título, talvez seja sumo apóstolo ou mesmo quem sabe vice-deus!!!...
Outra demonstração de anti-humilde “evangélica” que é claramente o orgulho
extremado é:

O Exibicionismo Nos Carros

Falo com sinceridade e com bastante veemência. Já não aguento mais ver essas palhaçadas atrás dos carros, tenho asco em ver essas frases de quem diz "Eu sou o centro das atenções de Deus".
Seguindo-se bem de perto a esse modismo do “mais grande”, vem a fanfarronice e
o exibicionismo visíveis nas traseiras dos automóveis, tais como: “Deus me deu”; “sou
filho do rei”; “não sou dono do mundo, mas sou filho do dono”; “... a igreja com cara de
leão”; “temos visto a face de Deus”... “Nossa igreja vai salvar o mundo todo”;..." Quando Deus quer é assim";..."Deus é fiel"... Chega, estou cheio disso, isso é a cara de kombeiro. Não que eu tenha alguma coisa contra os kombeiros, de forma alguma, mas isto é próprio da categoria.

O crítico é que esse comportamento não se restringe apenas ao Brasil. Tal atitude
também está presente na outra América em nossos vizinhos latinos.
Essas ostentações exibicionistas e ainda uma boa parcela de outras coisas do que se
considera normal como partes da nossa “cultura da auto-estima” perfazem uma vida alheia
ao estarmos na presença de Deus. Porque tais atitudes são puramente idólatras (neste caso
egolatria). Onde as pessoas fazem questão de ostentar a imagem de são superiores,
melhores, especiais e mesmo afortunados... Infelizmente, tal atitude além de ser um pecado
do indivíduo, expõe ao ridículo a comunidade do Reino de Deus.

A Atitude Dos Filhos do Reino

Jesus recomenda que os filhos do Reino de Deus não devem agir dessa forma. “...
aprendei de mim que sou manso e humilde de coração...” (Mt 11.29). Falando dos títulos
Jesus afirma: “Vós, porém não sereis chamados mestres, porque um só é o vosso Mestre, e
vós todos sois irmãos. A ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque só um é vosso
Pai, aquele que está no céu. Nem sereis chamados guias, porque um é vosso Guia, o
Cristo. Mas o maior dentre vós será vosso servo”
(Mt 23.8-11).
Que revigorante diferença essa! Porém, infelizmente, esse texto dificilmente será
usado no culto de domingo que vem. As versões públicas que a devoção chamada cristã
tem assumido são extremamente parecidas com aquela que Jesus desautoriza aqui. Basta
ver quem é celebrizado, na mídia, e nas igrejas (baixinho chiiiiiii – Já vi uma das nossas igrejas
onde o membro tem que pedir literalmente a benção ao pastor). Em outras palavras, temos
muitos motivos para nos preocupar com os efeitos da respeitabilidade religiosa sobre
a nossa fidelidade a Deus.

É importante notar que no Reino de Deus, do qual somos cidadãos e participantes,
não devemos nos apegar às formas exteriores, ou a sua ausência. A forma pode estar
errada, e certo o coração, ou a forma pode estar certa, e errado o coração. Em Mateus 6.1,
Jesus dá o seu princípio diretor. “Guardai-vos de exercer a vossa justiça (dikaiosune)
diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles; doutra sorte não tereis galardão
junto de vosso pai celeste”.

O que Jesus está dizendo é que não há nada inerentemente errado em ficar
conhecido. O errado não é ser visto fazendo uma boa obra, mas fazer uma boa obra
para ser visto. Sempre que usarmos, para nós ou para os outros, a perspectiva de
reconhecimento como motivo para fazer o que se deve fazer por si mesmo, estaremos
usurpando o papel de Deus em nossa vida.

Conclusão:

O fato problemático é que na visão dos não crentes, evangélico é tudo igual.
Infelizmente estou começando a crer que essa afirmação tem grandes chances de se tornar
uma realidade real, lamentavelmente.
Fico pensando: será que toda nossa teologia pentecostal, ou batista ou presbiteriana ou conreacional e etc. de mais de centenas de anos está errada, retrógrada? Será que os nossos pastores não tem mais competência para conferências? Será que não temos mais pastores com o dom de evangelista? É óbvio que o problema não está em nossa teologia, nem na falta de pastores competentes.

Que saudade das nossas grandes cruzadas do passado, onde centenas de pessoas
conheceram a Jesus através da mensagem do Evangelho Bíblico.
Irmãos meu objetivo não é criticar a, b ou c, mas lembrar que enquanto
permanecemos calados diante de tantas adversidades, e mesmo heresias, as pedras
começam a clamar. E pelo visto estão fazendo coisas de impressionar até alguns dos
nossos líderes que já começaram copiá-las. Precisamos acordar rapidamente e valorizar os
nossos pastores e mestres, em especial aqueles maduros, que mesmo diante de tantas
“pressões” permanecem fiéis as Escrituras Sagradas e que muito ainda tem para
acrescentar no serviço do Reino de Deus, com suas experiências de vida.

A grande verdade é que a nossa intenção é determinada por aquilo que queremos e
esperamos do nosso ato. Quando realizamos boas obras para ser visto pelos homens,
fazemo-los porque o que estamos buscando é algo que procede dos homens. Deus reage
conforme as nossas expectativas. Quando queremos apenas a aprovação e estimas
humanas, e fazemos o que fazemos só por isso, Deus gentilmente se afasta porque,
conforme o nosso desejo, o caso não lhe diz respeito. E aí ficamos absolutamente sós com
as nossas “honras”... Que Deus afaste de nós essa tragédia.

Fonte: Ricardo André

Nenhum comentário:

Postar um comentário