quarta-feira, 30 de setembro de 2009

YEHOSHUA

Dando ênfase á um assunto que nos faz refletir sobre esse novo nome que estão querendo dar ao Senhor Jesus, e acrescentando o que o ilustre evangelista Daladier, com sua mente augusta, postou em seu Blog neste link, gostaria de ser mais profundo nesta matéria, até porque como diz o título deste blog, a teologia aqui é APOLOGETA.

Os Adeptos do Nome Yehoshua e Suas Variantes (ASNYV) surgiram no Brasil por volta de 1987 aproximadamente. Esse movimento não é propriamente dito uma heresia ou seita de origem brasileira, já que existem similares nos Estados Unidos e em outros lugares. Embora seja relativamente novo no Brasil, esse movimento experimentou um incrível fracionamento. Entre os adeptos do nome Yehoshua há muita divisão e ramificações, tanto doutrinária quanto institucional. Há grupos que negam a doutrina bíblica da Trindade, outros são sabatistas, ou seja, defendem a guarda do sábado, outros crêem ainda em duas categorias de salvos: os cristãos que habitarão no céu e os judeus, assírios e egípcios, que embora possam ser salvos, herdarão a terra. Outros, ainda crêem na totalidade dessas idéias. São exclusivistas, ostentando assim o monopólio da salvação. Alguns grupos são denominados de as Testemunhas de Yehoshua, Gideões de Yehoshua Hamashiach, Igreja do Deus Yehoshua etc. Alguns dos seus líderes e escritores no Brasil são: José Cláudio Pinheiro, Josué B. Paulino, Ivo Santos de Camargo e afins.

Os Adeptos do Nome Yehoshua e Suas Variantes declaram que o nome Yehoshua é de origem divina e significa Deus Salvador (YEHO = SENHOR + SHUAH = SALVAÇÃO). Falam que o nome Jesus é de origem pagã e significa Deus-cavalo (YE = DEUS + SUS = CAVALO). Vão mais além na sua obstinação contra o nome Jesus, comparando-o com Esus ,deus mitológico dos celtas, que aparece segurando serpentes com cabeça de carneiro. Concluindo precipitadamente que os cristãos adoram a serpente, ao invés do Cordeiro de Deus. Admitem ainda que o Senhor Jesus seja o portador do misterioso número 666.

Gostaría de iniciar esta breve consideração aos Adeptos do Nome Yehoshua e Suas Variantes (ASNYV), partindo da perspectiva de que a complexidade do Nome de Deus הוהי (YHWH), conforme nos é apresentada em Êx 3.13-15, é uma e a insistência de que somente a pronúncia Yehoshua (hebraico עשוהי), para o nome de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo deve ser outra.

Minha intenção não é desprezar, nem muito menos ridicularizar, mas apenas fazer a apologia cristã das questões concernentes aos argumentos apresentados por eles.

Concordo inteiramente com os ASNYV que o estudo de diversas línguas é importante e de muito proveito. Discordo, porém, dos exemplos que eles oferecem para apoiar suas doutrinas.

Dizem os ASNYV que nome próprio não deve ser traduzido, mas apenas transliterado. Será que realmente este princípio deverá ser sempre observado? Se a resposta for afirmativa, o que podemos concluir acerca de tais nomes próprios: Simão, João, Pedro, José, Judas, Jacó, Maria, Isabel, Débora, Moisés, Elias, Obadias etc? Todos esses nomes próprios, dentre outros, são transliterações, traduções ou equivalentes (formas) portugueses de nomes próprios hebraicos? Nomes como rabi, messias, dracma, sábado, pentecostes, e siclo, são traduções, transliterações ou equivalentes portugueses de nomes hebraicos?

Para esclarecer o significado de transliteração, tradução e equivalente, parto de um texto do Evangelho de João (1.38,41-42). Ε Jesus, voltando-se e vendo que o seguiam, disse-lhes: Que buscais? Disseram-lhe: Rabi (que, traduzido, quer dizer mestre), onde moras? ... Este achou primeiro a seu irmão Simão e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo). Ε levou-o a Jesus. E, olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).
Os nomes Jesus, Rabi, Mestre, Simão, Messias, Cristo, Jonas (João) e Pedro são escritos respectivamente da seguinte forma no original grego: Ιησους (Iesous), Ραββι (rabbi), Διδασκαλος (didáskalos), Σιμων (Símon), Μεσσίας (Messias), Χρίστος (Khristós), υιος (hyiós), Ιωαννης (Ioánnes), Κηφας (Kephâs) e Πετρος (Pétros).

Uma vez que todos os manuscritos do Novo Testamento grego estão escritos em grego Koiné, não seria sensato insistirmos em argumentos que partem da hipótese de que os autógrafos, ou seja, os escritos elaborados por seus próprios autores, teriam sido escritos em hebraico ou aramaico e depois traduzidos para o grego. Por isso, o critério máximo de autoridade em termos de exegese e hermenêutica do Novo Testamento será o texto grego, ainda que sejam admitidos os problemas de variantes textuais.

Em todos estes nomes não encontramos a transliteração de nomes próprios. Ιησους (Iesous), Σιμων (Símon), ןנחוי (Ioánnes) e Κηφας (Kephâs), não são transliterações do hebraico e aramaico, são apenas equivalentes gregos de nomes próprios provenientes do hebraico e aramaico. Ραββι (rabbi) e Μεσσιας (Messias) são equivalentes do hebraico יבר (rabbi) e חישמ (Mashiach). Κηφας (kephâs) é um equivalente grego do aramaico אפיכ (keypha). Διδασκαλος (didáskalos), Χριστος (Khristós), υιος (hyiós) e Πετρος (Pétros) são traduções gregas do hebraico e aramaico. Como podemos perceber, não há nestas palavras nenhum exemplo de transliteração de nomes hebraicos e aramaicos.

Podemos concluir facilmente que:
a) Jesus, Simão e João são equivalentes portugueses dos nomes próprios Ιησους (Iesous), Σιμων (Símon) e Ιωαννης (Ioánnes), que são equivalentes gregos dos nomes próprios hebraicos עשוהי (YEHOSHUA), ןועמש (Shimeon) e ןנחוי (Yochanan);
b) Messias e Rabi são equivalentes portugueses de Μεσσιας (Messias) e Ραββι (rabbi), equivalentes gregos dos substantivos hebraicos חישמ (Mashiach) e יכר (rabbi);
c) Cristo é o equivalente português de Χριστος (Khristós), tradução grega do hebraico חישמ (Mashiach);
d) Filho é a tradução do aramaico רכ (bar), traduzido em grego por υιος (hyiós) e em latim por filius;
e) Mestre é a tradução portuguesa do hebraico יכר (rabbi), que em grego é Διδασκαλος (didáskalos);
f) Cefas é o equivalente português de Κηφας (Kephâs), equivalente grego do aramaico אפיכ (keypha);
g) Pedro é o equivalente português da tradução grega Πετρος (Pétros), que é a tradução do aramaico אפיכ (keypha).

Valem-se ainda os ASNYV de um esquema criptográfico conhecido como gematria, para afirmar que Jesus Cristo é o portador do famigerado número 666, sendo, portanto, o nome da besta citada em Apocalipse 13.18. Demonstram isso da seguinte maneira:

IESUS CRISTVS FILII DEI
1+ 5 + 100 + 1 + 5 + 1 + 50 + 2 + 500 + 1 = 666

Em primeiro lugar, gostaría de lembrar que IESVS CRISTVS FILII DEI é IESVS CRISTVS + FILII DEI.

Em segundo lugar, IESVS CRISTVS sozinho equivale a 112.
Em terceiro lugar, FILII (genitivo masculino singular) deveria ser FILIVS (nominativo masculino singular).
Assim sendo, teríamos:
FILIVS DEI
1 + 50 + 1 + 5 + 500 + 1 = 558
IESUS CRISTVS = 112 + FILIVS DEI = 558 = 670
670 é diferente de 666

Percebemos, portanto, a necessidade da presença de títulos ou apostos, sem contar com a presença de FILII, em vez da forma correta FILIVS, para se chegar ao número 666.

Os ASNYV, para caracterizar sua exclusividade, acreditam na evidência da confirmação de sua doutrina fonética por meio de sonhos, visões, revelações e consultas ao Senhor através da caixinha da promessa. Eis algumas de suas evidências:.. Ε ο Senhor nosso Deus vem confirmando a Mensagem através de diversos Sonhos, Visões e Revelações, concedidos a muitos irmãos e irmãs conforme as Promessas de Sua Palavra (Joel 2.28-32; Ap 11.3-6).

...Eu, irmã Guinoral Μ. Paulino, tive um sonho, no qual estávamos nos preparando para a grande tribulação...

...Então, eu orava a Deus (no sonho) e consultava ao Senhor através da caixinha de promessas. Porém, quando abri a caixa de promessa, constatei que não havia nenhuma mensagem dentro da caixa, no entanto havia uma CANETA, que parecia do tipo tinteiro; a qual era extremamente pesada e bonita. Ε estava escrito horizontalmente na mesma caneta, como se fosse uma dedicatória: "Eu te constituí profeta entre as nações".

Vejam, caros irmãos, que não nos parece razoável acreditar em sistemas doutrinários que tenham outra fonte de revelação além da Bíblia, a Palavra de Deus. A subjetividade pode, muitas vezes, fornecer subsídios para o dogmatismo político, religioso ou cultural. Por esse motivo, devemos ter cuidado com as pessoas que se julgam exclusivamente detentoras ou portadoras da verdade, como é o caso dos ASNYV. Acrescento também que não podemos aceitar a idéia do aspecto duvidoso do Evangelho de Mateus, uma vez que os ASNYV acreditam na autografia hebraica ou aramaica. Conclusões forçadas ou precipitadas sobre os textos Sagrados em suas línguas originais são, pelo menos, um indício de predisposição ao sectarismo ou à heresia (2 Pe 2.1-2).

CREDO DOS ADEPTOS DO NOME YEHOSHUA Ε SUAS VARIANTES

1. Alguns negam a inspiração do Evangelho de Mateus, sob alegação de que é um livro apócrifo;
2. Ensinam que o nome correto de Jesus é Yehoshua e que Jesus significa deus-cavalo;
3. Fazem ligação entre Jesus (no grego Iesous) com Esus, um deus celta, pretendendo com isso afirmar que os cristãos são pagãos;
4. Ensinam que o número 666 (número da Besta de Ap 13.6,18) se enquadra no nome de Jesus;
5. Negam o nascimento virginal de Jesus, ensinando ser Ele filho de José e Maria;
6. Negam a doutrina da Trindade, afirmando que o Pai é o Filho e o Filho, o Pai (Unicismo);
7. O batismo é realizado em nome de Yehoshua-Mashiach,
8. Crêem em duas classes de pessoas: os cristãos, que vão para o céu; e os judeus, assírios e egípcios, que irão herdar a terra;
9. Negam a salvação de quem invoca o nome de Jesus. Só há salvação para quem invoca o nome Yehoshua;
10. Ensinam a guarda do sábado como fator necessário à salvação.

Ultimamente tem havido inúmeras inovações no meio do povo de Deus. Tanto fora da Igreja como no seio dela surgem as heresias. O apóstolo Paulo disse que Deus permite que isso aconteça para provar os fiéis (1 Co 11.19). É verdade que cada ser humano tem a liberdade de expressar seus pensamentos, por mais exóticos que sejam, porém causa-nos estranheza o fato de os agentes dessas idéias excêntricas encontrarem adeptos, acharem quem acredite nessas invenções.
Os fundadores das seitas costumam dizer que receberam revelação direta de Deus. Geralmente essas revelações contradizem a Bíblia. Seus adeptos, muitas vezes, deixam a Bíblia para seguir seus líderes. Isso aconteceu com Joseph Smith Jr., fundador do mormonismo; William Miller, depois Ellen Gould White, com o adventismo do sétimo dia; Charles Taze Russell, fundador das Testemunhas de Jeová etc, e agora, Ivo dos Santos Camargo, José Cláudio Pinheiro, Josué B. Paulino com as Testemunhas de Iehoshua.
Todo líder que procura impor uma inovação com base em suas supostas revelações, como doutrina básica de sua religião, deve ser rejeitado.

Como alerta aos crentes em Jesus que não conhecem as línguas originais e deixaram se levar por heresias e dúvidas dos ASNYV, apresentamos a exortação do apóstolo Paulo: "Mas temo que, assim como a serpente enganou Ενα com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo. Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis" (2 Co 11.3-4).

Jesus nos abençoe.

Crédito da pesquisa:  ICP Editora
Fonte: Série Apologética / Volume II

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Desmascarando Kardec

O espiritismo arroga para si a condição de ser o autêntico Cristianismo. Será?

A doutrina espírita nos ensina a praticar o Cristianismo em sua forma mais pura e simples, assim, o espírita procura ser um bom cristão. Ele sente que precisa combater seus próprios defeitos e praticar os ensinamentos de Jesus ("O Espiritismo em Linguagem Fácil", p. 61).



Resposta Apologética:

Para praticar o Cristianismo em sua forma mais pura e simples, em primeiro lugar seria preciso que o espiritismo tivesse sua base na Bíblia e suas crenças fossem as mesmas do Cristianismo histórico. Não é o caso. Daí porque o espiritismo usa uma falsa propaganda ao fazer afirmações como as citadas e como outras, entre as quais destaco:

É preciso que nos façamos entender. Se alguém tem uma convicção bem assentada sobre uma doutrina, ainda que falsa, é necessário que o desviemos dessa convicção, porém, pouco a pouco, eis porque nos servimos, quase sempre, de suas palavras e damos a impressão de partilhar de suas idéias, a fim de que ele não se ofusque de súbito e deixe de se instruir conosco. (Destaque nosso)

Então, o texto citado afirma que Allan Kardec recomenda:

Primeiro: nos servimos... de suas palavras...
Segundo: damos a impressão de partilhar de suas idéias...


Com que propósito? a fim de que ele não se ofusque de súbito e deixe de se instruir conosco...

ELOGIOS A JESUS CRISTO

Assim, para atingir seu objetivo, o espiritismo elogia Jesus Cristo dizendo:

Qual o tipo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem para lhe servir de guia e de modelo? "Jesus."

Em seguida, segue-se uma declaração de Allan Kardec, nos seguintes termos:

Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar a humanidade na terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque ele estava animado pelo Espírito divino e foi o ser mais puro que já apareceu na terra. (Destaque nosso).

Qual o cristão que não concordaria com essas declarações sobre Jesus e seus ensinos? Encontramos aprovação bíblica para essas declarações em Hebreus 7.26; Mateus 3.16-17.

Mas, logo em seguida, coloca na boca dos espíritos as seguintes palavras que contradizem a posição antes adotada com relação à pessoa e aos ensinos de Jesus:

Se Jesus ensinou as verdadeiras leis de Deus, que utilidade têm os ensinamentos dos espíritos? Poderão eles ensinar alguma coisa além do que ensinou Jesus?
Os ensinamentos de Jesus eram freqüentemente alegóricos e na forma de parábolas, dado que ele falava de acordo com a época e os lugares. Hoje, é preciso que a verdade seja inteligível para todos, razão por que é preciso explicar e desenvolver esses ensinamentos, tão poucos são os que os compreendem e ainda menos os que o praticam. Consiste nossa missão em abrir os olhos e os ouvidos a todos, para confundir os orgulhosos e desmascarar os hipócritas, esses que exteriormente se revestem das aparências da virtude e da religião para melhor ocultarem suas torpezas ("O Livro dos Espíritos", p. 172, Obras Completas, Editora Opus, 2ª edição especial).


Resposta Apologética:

Com essa explicação dada pelos espíritos, Kardec se vê com o direito de remover da Bíblia tudo quanto a Bíblia diga contra as práticas e ensinos do espiritismo. O que for contra o espiritismo pode-se alegar, com muita propriedade, que fazia parte dos ensinos parabólicos ou alegóricos de Jesus.
Enquanto os espíritas se baseiam no ensino dos espíritos, os cristãos se baseiam na Bíblia Sagrada.

Um autor espírita assim se pronuncia sobre a Bíblia:

Nem a Bíblia prova coisa nenhuma, nem temos a Bíblia como probante. Não rodopia junto à Bíblia. Mas a nossa base é o ensino dos espíritos, daí o nome espiritismo. A Bíblia não pode ser razão de peso contra o ensino dos espíritos ("A Margem do Espiritismo", pp. 214, 227, Carlos Embassahy).

Que mancada hein Carlos...

Allan Kardec opina sobre a Bíblia afirmando:

Todos os escritos posteriores, sem excetuar os de São Paulo, são e nem podem deixar de ser, apenas comentários ou apreciações, reflexos de opiniões pessoais, muitas vezes contraditórias, que não poderiam, em caso algum, ter a autoridade de um relato dos que haviam recebido as instruções diretamente do Mestre ("Obras Póstumas", p. 1170. Opus Editora Ltda., 2ª edi¬ção especial, 1985).

Faz-me rir Kardec...

E nós? Temos a Bíblia como regra de fé e conduta para a vida e o caráter do cristão (1 Ts 2.13; 2 Tm 3.15-17; 2 Pe 1.20-21). Negam eles as demais doutrinas cristãs, principalmente nossa redenção por Cristo. O credo espírita é negativista em face das doutrinas cristãs, pois nega a ressurreição corporal de Jesus e da humanidade, nega os milagres de Jesus, nega a Trindade, nega a deidade absoluta de Jesus, nega a Personalidade do Espírito Santo, nega a existência dos anjos, nega a existência do Diabo e dos demônios, nega a existência do céu e do inferno, nega o pecado original, nega a unicidade da vida terrestre. Poderiam, realmente, os espíritas ser classificados como cristãos?

A resposta é óbvia: não!

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Parada da diversidade... Aonde vamos parar...

Começou com o nome de "Parada GLS", depois "Parada Gay", logo após "Parada da Diversidade" e agora temos a "Semana da Diversidade LGBT". Antes só um dia, agora já é uma semana, e depois o que vai vir? suponho que seja "Seminário gay" ou "Congresso mundial LGBTE" (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Encubados). Neste último, políticos encubados que apoiam estas tais práticas e que defendem o casamento homosexual.

Aonde vamos parar?

Segue a notícia do site pe360graus.com

Parada da Diversidade percorre as ruas do Cabo de Santo Agostinho

Da Redação do pe360graus.com

Encerrando a 2ª Semana da Diversidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis) do Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife, acontece neste domingo (6) a Parada da Diversidade. No seu sétimo ano, o evento será no Pátio do Caic, às 20h, com shows e atrações culturais.

Desde o último sábado (29) a 2ª Semana da Diversidade proporcionou ao público momentos de educação, cultura e lazer, através de atividades como o seminário preventivo, a 4ª edição do Miss Gay, shows de drag queens, feira com produtos do GHC, e distribuição de preservativos e panfletos educativos, além de exibição de filmes.

Foi lançada ainda a campanha de prevenção “Fique Sabendo”, que consiste no oferecimento de testes rápidos e gratuitos de HIV/Aids, numa parceria entre as coordenações municipal, estadual e nacional de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis.


O que eu acho interessante é que eles lançaram uma campanha que intitularam de "Fique sabendo". Aproveitando o ensejo, lançarei também aqui a minha campanha "Fique sabendo", que consiste em oferecer a sociedade as verdades Bíblicas sobre o homosexualismo.

1º Fique sabendo que: Homosexualismo é abominação aos olhos de Deus e que desde o antigo testamento Deus adverte seu povo. "Lv 18:22 Com varão te não deitarás, como se fosse mulher: abominação é"

2º Fique sabendo que: Os homosexuais ativos e passivos não herdarão o reino de Deus. "ICo 6:10 Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o Reino de Deus."

3º Fique sabendo que: Deus criou o homem e a mulher para serem uma só carne; nesse princípio não há o homosexualismo. "Gn 2:24 Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne."

4º Fique sabendo que: Deus entregou tais pessoas á imundícia porque densonraram seus próprios corpos entre si. " Rm 1:24 Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si."

5º Fique sabendo que: Deus os entregou á paixões infames da carne por causa da sua desobediência. "Rm 1:26,27 Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro."

Talvez alguém diga que é diferente de matar ou roubar, pois não faz mal aos outros, que homosexuais são cidadãos que podem viver uma vida respeitável, que devem ser respeitados etc. Sim, é verdade. Entenda que o que escrevo aqui não é uma crítica à pessoa homosexual, mas à prática da homossexualidade, e também não estou me baseando no modo como a sociedade aceita ou deve aceitar determinadas práticas. Quero deixar bem claro que não sou homofóbico, mas tais práticas sexuais a luz do dia é de envergonhar qualquer pessoa que tenha um mínimo de decência e é totalmente contrário á luz das escrituras sagradas.

É claro que a tendência na sociedade será cada vez mais de aceitação de diferentes inclinações sexuais, sob a alegação de se tratar de opção pessoal e não implicar em dano à sociedade como um todo. Até mesmo as leis tenderão a reconhecer uniões do mesmo sexo como válidas para preservar os direitos das pessoas envolvidas, como acontece em qualquer sociedade entre duas pessoas. Mas o foco aqui não é o que a sociedade aceita ou o que as leis também irão aceitar, o foco aqui é o que Deus diz em sua palavra sobre a prática da homosexualidae.

Verdadeiramente é lamentável ver o que Satanás faz com a imagem e semelhança de Deus. Homens e mulheres que se deixam levar pelas concupiscências da carne e se entregam as lascívias e orgias.

Diante de tudo isso, quero deixar aqui a minha opinião á luz da Bíblia sobre a prática da homosexualidade e não ao homosexual, pois os tais estão cegos espiritualmente e necessitando verdadeiramente do Salvador de suas almas, e esse Salvador chama-se Jesus.

At 3:19 "Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor."

Pv 28:13 "O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia."

Ricardo André