quarta-feira, 30 de setembro de 2009

YEHOSHUA

Dando ênfase á um assunto que nos faz refletir sobre esse novo nome que estão querendo dar ao Senhor Jesus, e acrescentando o que o ilustre evangelista Daladier, com sua mente augusta, postou em seu Blog neste link, gostaria de ser mais profundo nesta matéria, até porque como diz o título deste blog, a teologia aqui é APOLOGETA.

Os Adeptos do Nome Yehoshua e Suas Variantes (ASNYV) surgiram no Brasil por volta de 1987 aproximadamente. Esse movimento não é propriamente dito uma heresia ou seita de origem brasileira, já que existem similares nos Estados Unidos e em outros lugares. Embora seja relativamente novo no Brasil, esse movimento experimentou um incrível fracionamento. Entre os adeptos do nome Yehoshua há muita divisão e ramificações, tanto doutrinária quanto institucional. Há grupos que negam a doutrina bíblica da Trindade, outros são sabatistas, ou seja, defendem a guarda do sábado, outros crêem ainda em duas categorias de salvos: os cristãos que habitarão no céu e os judeus, assírios e egípcios, que embora possam ser salvos, herdarão a terra. Outros, ainda crêem na totalidade dessas idéias. São exclusivistas, ostentando assim o monopólio da salvação. Alguns grupos são denominados de as Testemunhas de Yehoshua, Gideões de Yehoshua Hamashiach, Igreja do Deus Yehoshua etc. Alguns dos seus líderes e escritores no Brasil são: José Cláudio Pinheiro, Josué B. Paulino, Ivo Santos de Camargo e afins.

Os Adeptos do Nome Yehoshua e Suas Variantes declaram que o nome Yehoshua é de origem divina e significa Deus Salvador (YEHO = SENHOR + SHUAH = SALVAÇÃO). Falam que o nome Jesus é de origem pagã e significa Deus-cavalo (YE = DEUS + SUS = CAVALO). Vão mais além na sua obstinação contra o nome Jesus, comparando-o com Esus ,deus mitológico dos celtas, que aparece segurando serpentes com cabeça de carneiro. Concluindo precipitadamente que os cristãos adoram a serpente, ao invés do Cordeiro de Deus. Admitem ainda que o Senhor Jesus seja o portador do misterioso número 666.

Gostaría de iniciar esta breve consideração aos Adeptos do Nome Yehoshua e Suas Variantes (ASNYV), partindo da perspectiva de que a complexidade do Nome de Deus הוהי (YHWH), conforme nos é apresentada em Êx 3.13-15, é uma e a insistência de que somente a pronúncia Yehoshua (hebraico עשוהי), para o nome de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo deve ser outra.

Minha intenção não é desprezar, nem muito menos ridicularizar, mas apenas fazer a apologia cristã das questões concernentes aos argumentos apresentados por eles.

Concordo inteiramente com os ASNYV que o estudo de diversas línguas é importante e de muito proveito. Discordo, porém, dos exemplos que eles oferecem para apoiar suas doutrinas.

Dizem os ASNYV que nome próprio não deve ser traduzido, mas apenas transliterado. Será que realmente este princípio deverá ser sempre observado? Se a resposta for afirmativa, o que podemos concluir acerca de tais nomes próprios: Simão, João, Pedro, José, Judas, Jacó, Maria, Isabel, Débora, Moisés, Elias, Obadias etc? Todos esses nomes próprios, dentre outros, são transliterações, traduções ou equivalentes (formas) portugueses de nomes próprios hebraicos? Nomes como rabi, messias, dracma, sábado, pentecostes, e siclo, são traduções, transliterações ou equivalentes portugueses de nomes hebraicos?

Para esclarecer o significado de transliteração, tradução e equivalente, parto de um texto do Evangelho de João (1.38,41-42). Ε Jesus, voltando-se e vendo que o seguiam, disse-lhes: Que buscais? Disseram-lhe: Rabi (que, traduzido, quer dizer mestre), onde moras? ... Este achou primeiro a seu irmão Simão e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo). Ε levou-o a Jesus. E, olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).
Os nomes Jesus, Rabi, Mestre, Simão, Messias, Cristo, Jonas (João) e Pedro são escritos respectivamente da seguinte forma no original grego: Ιησους (Iesous), Ραββι (rabbi), Διδασκαλος (didáskalos), Σιμων (Símon), Μεσσίας (Messias), Χρίστος (Khristós), υιος (hyiós), Ιωαννης (Ioánnes), Κηφας (Kephâs) e Πετρος (Pétros).

Uma vez que todos os manuscritos do Novo Testamento grego estão escritos em grego Koiné, não seria sensato insistirmos em argumentos que partem da hipótese de que os autógrafos, ou seja, os escritos elaborados por seus próprios autores, teriam sido escritos em hebraico ou aramaico e depois traduzidos para o grego. Por isso, o critério máximo de autoridade em termos de exegese e hermenêutica do Novo Testamento será o texto grego, ainda que sejam admitidos os problemas de variantes textuais.

Em todos estes nomes não encontramos a transliteração de nomes próprios. Ιησους (Iesous), Σιμων (Símon), ןנחוי (Ioánnes) e Κηφας (Kephâs), não são transliterações do hebraico e aramaico, são apenas equivalentes gregos de nomes próprios provenientes do hebraico e aramaico. Ραββι (rabbi) e Μεσσιας (Messias) são equivalentes do hebraico יבר (rabbi) e חישמ (Mashiach). Κηφας (kephâs) é um equivalente grego do aramaico אפיכ (keypha). Διδασκαλος (didáskalos), Χριστος (Khristós), υιος (hyiós) e Πετρος (Pétros) são traduções gregas do hebraico e aramaico. Como podemos perceber, não há nestas palavras nenhum exemplo de transliteração de nomes hebraicos e aramaicos.

Podemos concluir facilmente que:
a) Jesus, Simão e João são equivalentes portugueses dos nomes próprios Ιησους (Iesous), Σιμων (Símon) e Ιωαννης (Ioánnes), que são equivalentes gregos dos nomes próprios hebraicos עשוהי (YEHOSHUA), ןועמש (Shimeon) e ןנחוי (Yochanan);
b) Messias e Rabi são equivalentes portugueses de Μεσσιας (Messias) e Ραββι (rabbi), equivalentes gregos dos substantivos hebraicos חישמ (Mashiach) e יכר (rabbi);
c) Cristo é o equivalente português de Χριστος (Khristós), tradução grega do hebraico חישמ (Mashiach);
d) Filho é a tradução do aramaico רכ (bar), traduzido em grego por υιος (hyiós) e em latim por filius;
e) Mestre é a tradução portuguesa do hebraico יכר (rabbi), que em grego é Διδασκαλος (didáskalos);
f) Cefas é o equivalente português de Κηφας (Kephâs), equivalente grego do aramaico אפיכ (keypha);
g) Pedro é o equivalente português da tradução grega Πετρος (Pétros), que é a tradução do aramaico אפיכ (keypha).

Valem-se ainda os ASNYV de um esquema criptográfico conhecido como gematria, para afirmar que Jesus Cristo é o portador do famigerado número 666, sendo, portanto, o nome da besta citada em Apocalipse 13.18. Demonstram isso da seguinte maneira:

IESUS CRISTVS FILII DEI
1+ 5 + 100 + 1 + 5 + 1 + 50 + 2 + 500 + 1 = 666

Em primeiro lugar, gostaría de lembrar que IESVS CRISTVS FILII DEI é IESVS CRISTVS + FILII DEI.

Em segundo lugar, IESVS CRISTVS sozinho equivale a 112.
Em terceiro lugar, FILII (genitivo masculino singular) deveria ser FILIVS (nominativo masculino singular).
Assim sendo, teríamos:
FILIVS DEI
1 + 50 + 1 + 5 + 500 + 1 = 558
IESUS CRISTVS = 112 + FILIVS DEI = 558 = 670
670 é diferente de 666

Percebemos, portanto, a necessidade da presença de títulos ou apostos, sem contar com a presença de FILII, em vez da forma correta FILIVS, para se chegar ao número 666.

Os ASNYV, para caracterizar sua exclusividade, acreditam na evidência da confirmação de sua doutrina fonética por meio de sonhos, visões, revelações e consultas ao Senhor através da caixinha da promessa. Eis algumas de suas evidências:.. Ε ο Senhor nosso Deus vem confirmando a Mensagem através de diversos Sonhos, Visões e Revelações, concedidos a muitos irmãos e irmãs conforme as Promessas de Sua Palavra (Joel 2.28-32; Ap 11.3-6).

...Eu, irmã Guinoral Μ. Paulino, tive um sonho, no qual estávamos nos preparando para a grande tribulação...

...Então, eu orava a Deus (no sonho) e consultava ao Senhor através da caixinha de promessas. Porém, quando abri a caixa de promessa, constatei que não havia nenhuma mensagem dentro da caixa, no entanto havia uma CANETA, que parecia do tipo tinteiro; a qual era extremamente pesada e bonita. Ε estava escrito horizontalmente na mesma caneta, como se fosse uma dedicatória: "Eu te constituí profeta entre as nações".

Vejam, caros irmãos, que não nos parece razoável acreditar em sistemas doutrinários que tenham outra fonte de revelação além da Bíblia, a Palavra de Deus. A subjetividade pode, muitas vezes, fornecer subsídios para o dogmatismo político, religioso ou cultural. Por esse motivo, devemos ter cuidado com as pessoas que se julgam exclusivamente detentoras ou portadoras da verdade, como é o caso dos ASNYV. Acrescento também que não podemos aceitar a idéia do aspecto duvidoso do Evangelho de Mateus, uma vez que os ASNYV acreditam na autografia hebraica ou aramaica. Conclusões forçadas ou precipitadas sobre os textos Sagrados em suas línguas originais são, pelo menos, um indício de predisposição ao sectarismo ou à heresia (2 Pe 2.1-2).

CREDO DOS ADEPTOS DO NOME YEHOSHUA Ε SUAS VARIANTES

1. Alguns negam a inspiração do Evangelho de Mateus, sob alegação de que é um livro apócrifo;
2. Ensinam que o nome correto de Jesus é Yehoshua e que Jesus significa deus-cavalo;
3. Fazem ligação entre Jesus (no grego Iesous) com Esus, um deus celta, pretendendo com isso afirmar que os cristãos são pagãos;
4. Ensinam que o número 666 (número da Besta de Ap 13.6,18) se enquadra no nome de Jesus;
5. Negam o nascimento virginal de Jesus, ensinando ser Ele filho de José e Maria;
6. Negam a doutrina da Trindade, afirmando que o Pai é o Filho e o Filho, o Pai (Unicismo);
7. O batismo é realizado em nome de Yehoshua-Mashiach,
8. Crêem em duas classes de pessoas: os cristãos, que vão para o céu; e os judeus, assírios e egípcios, que irão herdar a terra;
9. Negam a salvação de quem invoca o nome de Jesus. Só há salvação para quem invoca o nome Yehoshua;
10. Ensinam a guarda do sábado como fator necessário à salvação.

Ultimamente tem havido inúmeras inovações no meio do povo de Deus. Tanto fora da Igreja como no seio dela surgem as heresias. O apóstolo Paulo disse que Deus permite que isso aconteça para provar os fiéis (1 Co 11.19). É verdade que cada ser humano tem a liberdade de expressar seus pensamentos, por mais exóticos que sejam, porém causa-nos estranheza o fato de os agentes dessas idéias excêntricas encontrarem adeptos, acharem quem acredite nessas invenções.
Os fundadores das seitas costumam dizer que receberam revelação direta de Deus. Geralmente essas revelações contradizem a Bíblia. Seus adeptos, muitas vezes, deixam a Bíblia para seguir seus líderes. Isso aconteceu com Joseph Smith Jr., fundador do mormonismo; William Miller, depois Ellen Gould White, com o adventismo do sétimo dia; Charles Taze Russell, fundador das Testemunhas de Jeová etc, e agora, Ivo dos Santos Camargo, José Cláudio Pinheiro, Josué B. Paulino com as Testemunhas de Iehoshua.
Todo líder que procura impor uma inovação com base em suas supostas revelações, como doutrina básica de sua religião, deve ser rejeitado.

Como alerta aos crentes em Jesus que não conhecem as línguas originais e deixaram se levar por heresias e dúvidas dos ASNYV, apresentamos a exortação do apóstolo Paulo: "Mas temo que, assim como a serpente enganou Ενα com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo. Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis" (2 Co 11.3-4).

Jesus nos abençoe.

Crédito da pesquisa:  ICP Editora
Fonte: Série Apologética / Volume II

12 comentários:

  1. Irmão Ricardo, a Paz do Senhor!

    Parabéns pelas excelentes postagens no blog. Já estou seguindo!

    Aproveito para lhe convidar a conhecer meu blog, e se desejar segui-lo também, será uma honra.

    Seus comentários também serão muito bem-vindos.

    gleisonelias.blogspot.com

    Um abraço e te espero lá!

    ResponderExcluir
  2. Graça e paz! Que Desu continue honrando o irmão comesta sabedoria aençoada que ele o deu. Muito esclarecedor e de facil entendimento o texto.

    ResponderExcluir
  3. Excelente. Já tinha abordado este problema em meu blog, mas você excedeu e aprofundou bastante o assunto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. nao entendo,o messias era judeu,o nome jesus latim cristo grego,e vem voces comedor de carne de porco guardador de domingo,e de tudo que è heresia o que nao esta na biblia,diz q o sequidores de yehoshua sao anti messias,cegos,tas sao os mesmos sacerdotes q mataram o messias.

    ResponderExcluir
  5. Caro unicista anônimo, você começou muito bem dizendo que não está entendendo, pois diante de textos tão esclarecedores acerca dessas heresias que vocês ensinam, não entende quem está realmente muito cego e desprovido de discernimento espiritual.
    Vou repetir novamente para ver se você entende, ok.
    Para esclarecer o significado de transliteração, tradução e equivalente, parto de um texto do Evangelho de João (1.38,41-42). Ε Jesus, voltando-se e vendo que o seguiam, disse-lhes: Que buscais? Disseram-lhe: Rabi (que, traduzido, quer dizer mestre), onde moras? ... Este achou primeiro a seu irmão Simão e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo). Ε levou-o a Jesus. E, olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).
    Os nomes Jesus, Rabi, Mestre, Simão, Messias, Cristo, Jonas (João) e Pedro são escritos respectivamente da seguinte forma no original grego: Ιησους (Iesous), Ραββι (rabbi), Διδασκαλος (didáskalos), Σιμων (Símon), Μεσσίας (Messias), Χρίστος (Khristós), υιος (hyiós), Ιωαννης (Ioánnes), Κηφας (Kephâs) e Πετρος (Pétros).

    Uma vez que todos os manuscritos do Novo Testamento grego estão escritos em grego Koiné, não seria sensato insistirmos em argumentos que partem da hipótese de que os autógrafos, ou seja, os escritos elaborados por seus próprios autores, teriam sido escritos em hebraico ou aramaico e depois traduzidos para o grego. Por isso, o critério máximo de autoridade em termos de exegese e hermenêutica do Novo Testamento será o texto grego, ainda que sejam admitidos os problemas de variantes textuais.

    Em todos estes nomes não encontramos a transliteração de nomes próprios. Ιησους (Iesous), Σιμων (Símon), ןנחוי (Ioánnes) e Κηφας (Kephâs), não são transliterações do hebraico e aramaico, são apenas equivalentes gregos de nomes próprios provenientes do hebraico e aramaico. Ραββι (rabbi) e Μεσσιας (Messias) são equivalentes do hebraico יבר (rabbi) e חישמ (Mashiach). Κηφας (kephâs) é um equivalente grego do aramaico אפיכ (keypha). Διδασκαλος (didáskalos), Χριστος (Khristós), υιος (hyiós) e Πετρος (Pétros) são traduções gregas do hebraico e aramaico. Como podemos perceber, não há nestas palavras nenhum exemplo de transliteração de nomes hebraicos e aramaicos.
    Se ainda não entendeu, vá orar e pedir discernimento ao Senhor, agora, o Senhor que eu estou dizendo é o Senhor JESUS e não Yehoshua. Senão você estará orando ao Deus errado, portanto Yehoshua não estará lhe escutando, ok.
    Ah sim... Por favor, tenha mais um pouco de educação, não entre nos blogs alheios disparando adjetivos de linguagem xulas, pois assim você mostra logo seu cartão de visita mostrando-se de imediato quem és.
    Obs: Estude mais as linguas originais e não abuse da minha inteligência, não tenho tempo para pessoas como você. Sem mais Ricardo, o servo de JESUS CRISTO.

    ResponderExcluir
  6. Nilton de Paula PE9 de março de 2011 15:58

    Parabéns Ricardo pela sua explanação do assunto mostrando que é imprescindível aos cristãos o conhecimento da bíblia e quanto os que nos acusam ficam irritados quando se deparam com apologistas que trazem argumentos sólidos, no momento não estou frequentando nenhuma congregação ,mas sempre entro em 'discussões' com este tipo de pessoas e fico muito feliz por defender a fé comum. Um abraço e que Deus te abençõe.

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigado meu irmão Nilton, espero em Cristo que o amado irmão encontre logo uma congregação e ajude-nos cada vez mais a defender este evangelho maravilhoso des seitas existentes.

    Deus continue te abençoando!

    ResponderExcluir
  8. Parabens caro Ricardo andre,pelo seu esforço desesperado tentando defender com unhas e dentes esse a quem nenhum dos apostolos do messias conheceu,mais isso é normal quando os lideres jesuita veem as bases do ninho cristão em rachaduras é horrivel,eles entram em desespero mesmo,se agarram a tudo que podem para manter seu ídulo diabolico jesus intocavel!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. CARO ANÔNIMO!

    QUANTA COVARDIA!!! ISTO É TÍPICO DE PESSOAS SEM PERSONALIDADE. POSTAR COMENTÁRIOS SEM IDENTIFICAR-SE É SIMPLESMENTE DEPLORÁVEL, AINDA MAIS COM ARGUMENTOS CHULOS E SEM CONHECIMENTO COMO É DA ALÇADA DE VOCÊS. COMO DEVO CHAMAR-LHE? JÁ QUE NÃO TENS NOME IREI CHAMAR-LHE DE MALDIZENTE, É BEM A SUA NATUREZA

    PRECLARO MALDIZENTE, ESTUDE MAIS SOBRE OS JESUÍTAS, BEM COMO O GREGO E HEBRAICO, POIS VOCÊS INSULTAM QUEM TEM UM MÍNIMO DE RETIDÃO INTELECTUAL. NÃO POSTAREI MAIS RESPOSTAS SEM SUA IDENTIFICAÇÃO, POIS QUEM FALA O QUE NÃO DEVE IRRESPONSAVELMENTE TAMBÉM DEVE DAR A CARA PARA BATER.

    TENHA CORAGEM E IDENTIFIQUE-SE, CONSPÍCUO MALDIZENTE, POIS SÓ ASSIM POSTAREI SEUS COMENTÁRIOS.

    A PROPÓSITO.... JESUS TE ABENÇOE, OU YESHUA TE ABENÇOE!

    ResponderExcluir
  10. osvaldo dos santos29 de abril de 2013 17:08

    Ola Ricardo, sou testemunha de que o nome do Filho é Yehoshua, e gostaria de saber se somos falsos profetas porque testemunhamos que o nome Dele é Yehoshua, ou por questões de doutrinas, porque pelo que testemunhei até hoje ninguem negou que o nome Dele não fosse Yehoshua, pelo contrario todos confirmaram, não posso ser falso profeta anunciando aquilo que todos confirmam, simplesmente optei pela forma hebraica longa não a aramaica curta do nome, e nem pelas variantes como voçe esplanou.
    Julguem todos se é mais licito chamar meu Senhor por uma variante, do que pela forma original, julguem meus irmãos se é mais verdadeiro eu dizer que os apostolos chamaram meu mestre de Yehoshuah, ou da variante que só apareceu a 500 anos pra ca.
    Julguem meus amados, não pela doutrina, pois ira encontrar varias interpretaçoes, mas julguem simplismente pelo nome que prego.

    ResponderExcluir
  11. CARO OSVALDO!!!!
    NÃO GOSTO DE SER REDUNDANTE, MAS SE VOCÊ NOTAR, A RESPOSTA PARA A SUAS PERGUNTAS ESTÃO NAS RESPOSTAS QUE JÁ DEI AQUI. LEIA AS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE ESTE ASSUNTO E VERÁ O QUE RESPONDI.

    UM ABRAÇO E A PAZ DO SENHOR JESUS!!!

    ResponderExcluir
  12. Ola Ricardo, acredito que foi escrito desta forma iesous para o nome do Messias, mas não era assim que se pronunciava, assim como existe hoje nomes como Jhon, e não pronunciamos conforme a escrita, assim acontece com muitos nomes.
    É ate impossível acreditar que os apóstolos ensinando no grego pronunciasse a forma grega e não a exata pronuncia Hebraica, levando em conta o zelo que eles tinham pelo seus idiomas, e ainda o medo de se contaminarem com os gentios, e sabemos que não era possível transliterar todas as letras com seus respectivos sons chegaram nesta forma, mas ínsito não era assim que os discípulos liam quando se deparavam com o nome grego Iesous, principalmente quando oravam, batizavam etc.

    ResponderExcluir