sábado, 27 de agosto de 2011

O CRENTE E A TEOLOGIA


O pressuposto de que o crente leigo não está interessado em teologia é bem comum entre os pastores. Dizem que é preciso pregar sermões práticos e pertinentes (Como se a teologia da palavra de Deus não fosse prática ou pertinente) em vez de sermões de teoria. Mas toda prática é prática de alguma teoria, e se você estiver ignorante da teoria, com certeza a sua prática vai ser errada.

Na minha opinião. a noção de evitar sermões de doutrina e teologia é apenas uma tentativa de desculpar a preguiça do pastor que não quer fazer o trabalho referido para se preparar e ensinar doutrina.

Na psicologia moderna há uma destinção entre a cabeça e o coração. Dizem que a fé verdadeira é uma coisa do coração e não apenas a cabeça. Os liberais, e até muitos evangélicos, acham que a fé é algo irracional, que é o contrário de conhecimento. A fé é vista como encontrada nas emoções. Mas a Bíblia não tem nada disso. Na Bíblia não existe uma distinção entre a cabeça e o coração. Fé na Bíblia é altamente racional. As emoções não tem quase nada a ver com ela.

Mas uma heresia ligada a isso é noção de que os problemas da fé são emocionais e devem ser tratados com terapia em vez de instrução e orientação nas doutrinas da Bíblia. Vejá só, não estou negando a importância da  terapia cristã, mas estou dizendo que a melhor terapia não basta sem o ensino da doutrina. As vezes a falta de apologética pode até criar uma crise na vida do crente ao enfrentar questões importantes.

O fato é que todos os crente já são teólogos. A única pergunta a ser respondida é: Será que eles são teólogos bons ou ruins? Parece que a maioria dos crentes são teólogos ruins e a culpa disso fica plenamente nos ombros dos pastores. O crente deve ser um bom teólogo e um apologista também. O pastor tem a responsabilidade de formar apologistas.

QUEM SOU EU?

Acredito que o principal elemento da personalidade de um indivíduo é a sua identidade. A identidade é o conhecimento da verdade divina acerca de si mesmo nas diversas áreas e condições da existência. Na mesma proporção que perdemos contato com nossa identidade vamos também fracassar em desempenhar nossas habilidades bem como aleijar nosso destino.

Saber quem somos espiritualmente e vocacionalmente nos lança numa dinâmica de fé e obras que extrapola as impossibilidades. O conhecimento de Deus e a revelação da nossa identidade. Você só irá saber quem você é de fato, descobrindo quem Deus é. São revelações simultâneas, paralelas.

Um dos fatores mais importantes acerca da identidade de qualquer indivíduo é que ela tem origem em Deus. Ele é o supremo criador não criado. Para descobrir nossa identidade precisamos entrar na empolgante jornada de retornar ao coração de Deus, o autor da nossa vida e existência.

Qual seria, portanto, este caminho de volta às nossas origens? Jesus declarou: Eu sou o caminho, a verdade e a vida e ninguém vêm ao Pai senão por mim. O caminho que quebra o jugo da orfandade espiritual, da ignorância acerca da nossa origem, propósito e destino é uma pessoa: Jesus, que nos proporciona não só revelação, mas acesso à paternidade do Criador.

Um dos sintomas mais fortes da crise de identidade é o sentimento de orfandade em relação a pais verdadeiros, a pais espirituais e a Deus, nosso Pai celestial. Desta forma não só perdemos contato com nossa verdadeira identidade em Deus, como também nossa herança é saqueada.
Obviamente que o diabo tem um interesse básico que consiste em traumatizar a identidade das pessoas, pois a partir disto, as pessoas começam não mais que andar em círculos no que tange ao propósito maior da vida.
Sua maior arma para isto é a imoralidade. A imoralidade é um dos pecados que mais afetam a identidade de uma pessoa. Ela tem o poder de destruir a alma: "O que adultera com uma mulher é falto de entendimento; destrói a sua alma o que tal faz. Achará castigo e vilipendio, e o seu opróbrio nunca apagará". (Pv 6:32,33}

A imoralidade acarreta um estado perpétuo de vergonha espiritual que esmaga a consciência, destrói a autoridade, corrompe a influência. O que está em pauta é o processo sinistro de perverter a personalidade. Qualificamos de sinistro porque ao mesmo tempo em que é destrutivo é também atrativo e acumulativo.

Pensemos nisto...

O CRISTÃO E AS OFERTAS

Gostaria de destacar alguns pontos que acredito são claramente expostos na Bíblia, quanto a isto, buscando um equilíbrio neste assunto tão delicado que são as ofertas na igreja.
1) Tudo que existe pertence a Deus. Ele é o Senhor de tudo e de todos. Nossos recursos não são nossos. Nem os da Igreja. Somos administradores dos bens que Deus nos confiou. (Mordomia cristã)

2) O dinheiro em si não é nem bom nem mau, dependerá do uso que fizermos dele e da nossa atitude para com ele. Podemos usar o dinheiro ou sermos usados por ele. Podemos usar o dinheiro para viver, ou viver para o dinheiro. O dinheiro, quando bem empregado, torna-se bênção para a vida de muitos.

3) A Igreja de Cristo, enquanto neste mundo, tem gastos e despesas com prédios, pessoal, impostos, salários, obra missionária e obra social. Para cumprir estes compromissos, ela busca recursos entre seus membros. Todos os que participam de uma igreja devem contribuir generosamente para a manutenção da mesma, não por obrigação, mas por entender a tarefa e a natureza da Igreja.

4) Toda contribuição para a Igreja é voluntária. Ela deve ser feita com amor, despreendimento e generosidade. Quem contribui para a Igreja deve fazê-lo sem esperar nada em troca, nem favores divinos e nem privilégios humanos. O Senhor Jesus disse que nossa mão direita não deve saber o que faz a esquerda, quando se trata de dar e contribuir.

5) A contribuição para a Igreja deve ser vista como um ato do culto que prestamos a Deus. Dar para a Igreja não é a mesma coisa de pagar uma mensalidade ou a prestação do seu carro ou de sua casa. Por este motivo, muitas igrejas separam um momento no culto onde os crentes, deixam suas contribuições diante do Senhor. No Antigo Testamento, o povo de Deus entregava suas contribuições em meio a cerimônias religiosas cuidadosamente planejadas para destacar a soberania de Deus sobre todas as coisas e nosso dever se servi-lo inclusive com nossos bens.

6) Nossas contribuições para a Igreja não compram benefícios da parte de Deus. É verdade que Deus prometeu abençoar e recompensar os que ofertam de coração alegre, mas esta bênção é gratuita e não deve ser vista como "comprada" por dinheiro. Isto seria uma grave ofensa diante de Deus. Simão Mago pensou que podia comprar com dinheiro o dom do Espírito Santo, mas foi rejeitado radicalmente pelo apóstolo Pedro.

Precisamos ter muito cuidado ao tratarmos destas coisas na Igreja. Dinheiro e religião é uma mistura potencialmente explosiva. Os princípios, regras e limites precisam estar claramente delineados.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

FILOSOFIA É INÚTIL?



Alguém já disse que o trabalho de um filósofo é semelhante ao esforço de um cego trancado em um quarto escuro procurando um gato preto que nunca foi posto lá. Muitos, desconhecendo um "produto" resultante da reflexão filosófica, entendem que se trata de uma paixão inútil de alguns indivíduos exóticos, socialmente mal adaptados.


 Em nossas igrejas evangélicas, a filosofia é geralmente vista como heresia, coisa do Diabo, pensamentos do cão e coisas dessa natureza, mas pensemos melhor no assunto. vamos abrir um pouco a nossa mente e vamos tentar entender e aproveitar o melhor da filosofia.


A verdade, no entanto, é que todos somos filósofos, pois temos todos uma maneira de entender a realidade que nos cerca. A diferença fundamental é que alguns são conscientes de que é impossível não ter uma visão de mundo, e estudam mais profundamente o assunto para melhor organizar os dados da realidade; outros, porém, formam uma visão da realidade não sistemática, inconscientes de seus próprios valores. Mas todos são obrigados a desenvolver, ainda que intuitivamente, uma teoria interpretativa da realidade. foi por essa razão que o filósofo e matemático francês Blaise Pascal disse: "Zombar da filosofia é, em verdade, filosofar". É impossível fugir dessa realidade! É necessário um mínimo de reflexão filosófica para se pensar que a filosofia é inútil e ridicularizá-la.


Antes de encontrarmos uma boa definição de filosofia, será muito útil tentar abordar algumas idéias incorretas muito difundidas a respeito do assunto para podermos esclarecer certas concepções populares e comuns , que infelizmente, são bastantes distorcidas.


A palavra "filosofia" aparece no novo testamento, em Colossensses 2.8 (RC) onde lemos "Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo" Essa é a única ocorrência da palavra filosofia em toda a Bíblia, evidentemente o contexto onde o termo aparece é negativo. Todavia, torna-se necessário que um estudo sério e bem fundamentado mostrará que Paulo estava atacando um determinado tipo de filosofia específica, a heresia gnóstica da cidade de Colossos. Ele usou o termo "filosofia" para se referir aquele tipo de filosofia herética, contrária a fé cristã. Isso não significa, de modo nenhum, que ele estivesse se referindo a filosofia no modo geral do termo. Paulo nunca se refere a filosofia propriamente dita em nenhuma parte do novo testamento. Seu único contato com os filósofos gregos registrados nas escrituras aparece em Atos 17.18 (RC) "E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele. Uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? Nesse caso, em Atenas, Paulo não condena a filosofia como essencialmente nociva, antes responde de maneira contextualizada, demonstrando conhecimento e capacidade de lidar com a cultura especulativa dos antigos gregos.


Há uma outra razão porque geralmente se acredita que a filosofia é essencialmente anti-cristã. Trata-se da ideia comum de que todos os filósofos, ou pelo menos a grande maioria deles, é hostil ao cristianismo e nem sequer acreditam em Deus. conhecimento teórico em algumas igrejas nossas torna-se sinônimo de incredulidade. É por isso que alguns teólogos são chamados de "CRÙ".


Todavia, não é bem verdade que filósofo é sinônimo de incredulidade. É fato que alguns filósofos mais conhecidos como Ludwig Feuerbach, Sigmund Freud, , Karl Marx, Friedrich Nietzsche, Bertrand Russell, Jean Paul Sartre e Voltaire foram incrédulos convictos, muito hostis para com o cristianismo. Mas, por outro lado, nomes destacados da filosofia medieval como Agostinho, Alberto Magno, Anselmo e Tomás de Aquino, acreditavam piamente nas verdades cristãs; outros filósofos mais modernos mostraram um cristianismo surpreendente. Blaise Pascal, famoso filósofo e matemático do século XVII chegou a afirmar "Sem Jesus Cristo o homem permanece no vicio e na miséria; com Jesus Cristo o homem está imune ao vicio e a miséria. Nele está nossa virtude e toda a nossa felicidade. Fora dele há apenas vicio, miséria, erros, trevas, morte e desespero"


Portanto meus caros irmãos, ter a filosofia como inútil já é filosofar.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

LER PARA CRER

Ler e interpretar a Bíblia é, antes de tudo, um privilégio. Muitos gostam de enfatizar que se trata de uma obrigação, mas é, isto sim, um privilégio. Um privilégio em grande parte recente, pois, durante a maior parte da história da Igreja, a Bíblia só era conhecida a partir da leitura pública. A maioria das pessoas não tinha acesso ao texto impresso.
Não se lê a Bíblia para Deus, mas para Si mesmo, isto é, para proveito pessoal. É claro que o leitor da Bíblia pode contar com a iluminação do Espírito Santo (Jo 14.26; ICo 2.9-16; 2Co 3.13-16; Mt 11.25,26; Sl 119.18), que é revelador e iluminador. 


A Bíblia não se contradiz e interpreta a Si mesma. Ela tem uma unidade orgânica. Existe unidade na diversidade: muitas vozes, mas, em seu todo, um som harmônico.
A Bíblia também se explica sozinha. Ela é sua própria intérprete. Ela se interpreta de forma imediata ou direta, como, por exemplo, em Jo 2.19,21 e Jo 12.32,33. Ela também se explica de forma mediata, em paralelos, pela "analogia da fé", isto é, a soma das passagens bíblicas claras. Interpretar a Bíblia pela própria Bíblia, à luz da própria Bíblia, é trabalhar com princípios hermenêuticos derivados da própria Bíblia. Por isso, importa estudar toda a Bíblia.


Estudemos mais a palavra de Deus!!!!! 

RESPOSTA A UM "SEM IGREJA"

Caros leitores, há algum tempo atrás navegando pela rede, me deparei com um blog que incitava e encorajava alguns irmãos a abandonarem suas igrejas, pois dizia que o imperialismo de Constantino foi quem "popularizou" o cristianismo e que essa coisa que espalham pelos templos, dizendo ser doutrina de Cristo é mentira. Entre essas e outras heresias que li, ainda de sobremesa me deparei com um desigrejado iracundo que saiu disparando confetes de sutilezas ao meu respeito. Interessante o debate. Gostaria de mostrar nosso debate em relação a esta postagem ardilosa e vil colocada por esta blogueira. Para uma melhor compreensão entre neste link e verão toda a postagem deste blog. Para se ter uma ideia, o título da postagem é "Satanás, o servo de Deus". Postarei só os principais sofismas escritos por ela em azul e minha refutação em vermelho.

A paz esteja contigo.
Por favor, não me entenda mal. 
Este artigo não é, jamais, para glorificar Satanás. E sim, para desmistificá-lo no seio da igreja. Para denunciar sua artimanha de sempre "estar na boca" do povo chamado pelo nome de Deus. Para tirá-lo de suas mentes. Para tirá-lo das Casas de Oração.

As pessoas focam Satanás, como seu inimigo, como sendo inimigo de Deus (na realidade, ele é SERVO de Deus, e não seu adversário). 
Mas, ao focarem Satanás, como seu principal alvo, deixam de olhar para si. 
Então a verdadeira circuncisão - a do coração - não acontece.
"E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual {seja} a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus." - (Romanos 12:2)

Pois ele é, digamos assim, o “departamento do mal” de Deus. Ele é a ira de Deus. 
2 Samuel 24:1 “E A ira do Senhor se tornou a acender contra Israel: e incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá.”
COMPARE O MESMO EPISÓDIO NARRADO EM OUTRO LIVRO BÍBLICO:
1 Crônicas 21:1 “ENTÃO Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar a Israel.”

A Bíblia não é a Palavra de Deus; ela CONTÉM a PALAVRA, mas não é.
E Jesus não veio chamar pessoas religiosas; mas sim, os verdadeiros adoradores que O adorem em ESPÍRITO e em VERDADE.

O que isto quer dizer?

Verifique na Bíblia, em toda a história do povo de Deus que o Senhor nunca chamou muita gente para a Obra. É certo que TODOS tomarão conhecimento da palavra - pois serão julgados por Ela -, mas nem todos ouvirão e enxergarão o que Jesus realmente fala abertamente aos Seus discípulos. Nem todos SÃO discípulos. Mesmo que digam ser. Mesmo que aparentemente sejam. A Palavra de Deus, na Bíblia, não é muito clara; é lâmpada sem azeite para quem não tiver o entendimento fornecido pelo Espírito Santo. E mata. Mata aquele que buscar a letra. 

E mata porque há muito judaísmo, farisaísmo entremeando os textos sagrados. Na Bíblia há até a palavra de Satanás! Veja em Gênesis 3 quando ele, em forma de serpente, dialoga com Eva. 

E o imperialismo de Constantino foi quem "popularizou" o cristianismo - essa coisa que espalham pelos templos, dizendo ser doutrina de Cristo. Mentira! Irmão, não foi isso que Jesus veio fundar. Não foi isso que os apóstolos seguiram. O ensinamento ficou escondido por aqueles que não se dobraram à famigerada doutrina de Constantino e a sua grande prostituta, a ICAR. Só que, de onde você acha que as igrejas protestantes saíram? Da ICAR! São as prostitutazinhas que pervertem também o Evangelho, com sua doutrina misturada de mandamentos humanos e vaidades, por onde, certamente, Satanás entra. São sinagogas de Satanás (leia a carta à Igreja da Filadelfia, no Apocalipse, aliás, veja todas as cartas. Olhe o que o próprio Senhor Jesus fala das igrejas, como um corpo temporal e pontual, para aquele tempo específico, não como denominação.).

Sabe, o tempo se abrevia, e as verdades estão aparecendo de forma acelerada para quem tem ouvidos para ouvir; para quem não tem, ficarão cada vez mais cegos. 
Você acha mesmo que o Senhor Jesus veio organizar um evento para multidões, uma MARCHA PRA JESUS? 
Ele é aquele que disse aos irmãos de sangue que não iria descer à festa, e depois que se foram, desceu sorrateiramente à mesma festa, para observar sem ser observado.

Então, irmão, nós não temos que nos conformar com o ensino bíblico denominacional. Temos que ir mais fundo. O próprio Espírito nos leva. E primeiro, temos que sair do conforto da nossa família pastoral humana. Teu Pastor tem que ser Jesus. Deixe Ele te guiar. Isso implica, desertos, solidão, abstinência, provação. Provar que é realmente o Pão da Vida que desceu do céu que nos Alimenta. O resto é resto. 

As pessoas ainda comem da árvore do bem e do mal. O seu fruto é fruto do engano e da desobediência.
Mas, da Árvore da Vida, que está no meio do Éden, guardada por um querubim com espada em punho, só comerá aquele que puder se aproximar. E o fruto dessa Árvore é o Pão da Vida, Jesus (João 6).

Abra os olhos e os ouvidos, Igreja, Corpo de Cristo.

A paz esteja contigo.
Amém.

Mônica Sampaio
Radialista, Escritora e Compositora

Cara Mônica, 

sabemos que o título desta postagem é um tanto quanto dantesca, visto que fere completamente uma exegese textual da palavra de Deus, mas isto não vem ao caso, até porque é uma inventividade pessoal ou falta de entendimento das escrituras.
E por falar em falta de entendimento, gostaria de frisar algumas frases entrelinhas que a cara colega postou em seu blog.

1º Você disse: “As pessoas focam Satanás, como seu inimigo, como sendo inimigo de Deus (na realidade, ele é SERVO de Deus, e não seu adversário).” 
Dizer que satanás não é nosso inimigo, e ainda dizer que é servo de Deus é um aberrante disparate. Em Mt 13.39 Jesus diz bem claramente que o diabo é o nosso inimigo; Em Lucas 10.19 diz a mesma coisa. Em Jo 8.44 Jesus diz que ele foi homicida desde o principio. Vamos para o significado correto da palavra servo. A palavra “servo” no hebraico é “eded” que significa aquele que serve ou escravo. Analisando a palavra “servo” no grego, é “doulós”. O termo no original significa escravo. Paulo se identificou como um escravo de Cristo. Um escravo não tem nenhuma liberdade ou vontade, mas deve sempre obedecer e depender de seu dono. Visto que Satanás tem liberdade e vontade como a palavra de Deus, Bíblia, diz em JO 10.10 Roubar (Liberdade de Satanás); Matar (Vontade de Satanás) e Destruir (Liberdade de Satanás).

Vendo por este ensinamento que você diz, Deus é um Deus que gosta explicitamente de brincar com seus filhos, mandando Satanás afligi-los para que eles corram para os seus pés sofrendo, e Ele, Deus, está pronto para socorrê-los. É como um pai avançar um cachorro de propósito numa criança sabendo que ela vai correr para perto do dele. Isto é um sentimento de maldade, visto que Deus não é mal.

Quando você diz que o Diabo é servo e não inimigo de Deus, você tenta justificar que Deus usa satanás para provar seus servos. Isso é um sofisma, diga-se de passagem, seu blog está repleto deles. Tg 1.13 acaba com esse sofisma. Cada um é tenta do e engodado pela “SUA PRÓPRIA CONCUPISCÊNCIA”.

2º Você diz: “Pois ele é, digamos assim, o “departamento do mal” de Deus. Ele é a ira de Deus.” E cita II Sm 24.1 e I Cr 21.1 É lamentável sua hermenêutica.
Departamento do mal foi ótimo, que falta de criatividade. O que existiu nesses contextos foi a permissão de Deus por causa da concupiscência de exaltação por parte de Davi. Deus não usou Satanás e disse: “Olha, vai lá e tenta meu servo”. Deus “PERMITIU” que Satanás incitasse Davi a promover o censo em Israel. O objetivo de Satanás era destruir Davi e o povo de Deus, o objetivo de Deus era o ensinar-lhe uma valiosa lição espiritual.

3º Você diz “A Bíblia não é a Palavra de Deus; ela CONTÉM a PALAVRA, mas não é.”
Este seu argumento tira completamente a divindade das escrituras e a põe ao vitupério. Isto que você faz é uma verdadeira lição de fidelidade aos filósofos sofistas. Tentar tirar a divindade da palavra de Deus é absolutamente repugnante. Sendo assim podemos dizer que todos os livros de Paulo coelho; de Allan Kardec; de Chico Xavier é inspirados por Deus, pois todos eles contêm algumas passagens da palavra de Deus.
Cl 1. 4-6 chama a PALAVRA DA VERDADE, Bíblia de O EVANGELHO DA SALVAÇÃO. II Tm 3.16 chama a escritura de DIVINAMENTE INSPIRADA . É bom saber que a palavra de Deus, BÍBLIA, contem inúmeras figuras de linguagem, e se você atenta para este fato em dizer que a Bíblia contém a palavra de Deus, você quer dizer que é uma metáfora. Visto que não podemos pegar em palavras e sim lê-las.

4º você diz “Na Bíblia há até a palavra de Satanás! Veja em Gênesis 3 quando ele, em forma de serpente, dialoga com Eva.” Essa foi demais, você perdeu completamente o discernimento espiritual. Dizer que um diálogo da serpente com Eva torna a Bíblia também a palavra de Satanás é inaceitável. Você quis dizer que a Bíblia há até o DIÁLOGO de Satanás. Muito cuidado minha cara com os seus comentários, pois temos a responsabilidade como blogueiros de ser formadores de opiniões, formar uma opinião herética é um tanto irresponsável.

5º Você diz “E primeiro, temos que sair do conforto da nossa família pastoral humana. Teu Pastor tem que ser Jesus.”
O que é sair do conforto da família pastoral? Sair da igreja? É isso mesmo que você colocou no seu blog? Sair da igreja? Hebreus 2:12 diz “Anunciarei o teu nome a meus irmãos, cantar-te-ei louvores no meio da CONGREGAÇÃO.” Hb 10.25 ainda diz “não deixando a nossa CONGREGAÇÃO, COMO É COSTUME DE ALGUNS; antes, admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais quanto vedes que se vai aproximando aquele Dia.”
Vejo minha cara, que diante dos sofismas impostos aqui nesta postagem encontram-se poucas verdades. Encontra-se sim, algumas heresias como a de incentivar pessoas a afastar-se de suas igrejas com o argumento de que Jesus tem que ser o seu pastor. Vi também que você criou um blog bastante criativo para os rebeldes que não querem saber de igrejas( http://www.sem-igreja.blogspot.com/ ), bastante criativo para a separação do corpo de Cristo.

Espero sinceramente que você leia mais a BÍBLIA, PALAVRA DE DEUS, e que o Espírito Santo lhe dê mais DISCERNIMENTO espiritual para juntar e não espalhar.
Ah... Ia me esquecendo...
Você está repetindo textos de uma postagem para outra, ou seja, o velho CTRL+C e CTRL+V. Você repetiu alguns textos completos das postagens “Satanás o servo de Deus” e “Estrela da manhã é Jesus, e não Satanás” Você repetiu a partir do texto: “Bíblia não é a Palavra de Deus; ela contém a palavra, mas não é...” Observe também que a vírgula vem depois de Jesus. Não vamos assassinar o português. Vamos ter mais criatividade e pedir orientação ao Espírito Santo, se quiser ajuda conte comigo.

Logo após entrou seu colega Fábio Henrique comentando:

Graça e paz, irmã Mônica!

Que loucura! Excepcional! Como a irmã já falou, nem todos conseguem compreender as palavras fiéis e verdadeiras. Mas que a irmã continue assim denunciando as obras das trevas, sem se preocupar com a letra, basta fazer o melhor que pode, pois foi Cristo quem te deu o sentido. Quem tem a mente de Cristo O entende.

Colaborando com o que a irmã disse: Os falsos mestres são cegos porque confessam que enxergam. São filhos do diabo quando dizem que não são. Estão mortos, sepulcros! 

“Disse-lhes Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece.” (João 9:41)

Sofisma é uma palavra que não pode faltar no vocabulário da vida deles. Congregar?! Com e Como os hipócritas?! Hipócrita!

Fábio Henrique.

Entrei novamente comentando:

Cara Mônica,
espero que a amada selecione com mais desvelo alguns comentários postados em seu blog, visto que sabemos que todo blogueiro está sujeito a opiniões contrárias as suas idéias, bem como críticas e elogios, e isto é salutar, mas baixar o nível com palavras de maldição é altamente torpe. Minhas críticas as suas postagens são com relação aos ensinamentos heréticos que ferem uma exegese textual correta, uma hermenêutica bem elaborada e a sã doutrina bíblica. Fora disso é contenda.

Gostaria de aproveitar e deixar uma pequena ressalva para o rebelde Fábio Henrique.
Caro rebelde Fábio Henrique, vou tentar aqui me expressar de maneira que possa me aproximar da sua linguagem, bem chula, já que notei que você é uma pessoa altamente despreparada e iletrada. Você começa me chamando de igrejeiro, não sei por que , acho que é porque obedeço a palavra de Deus em sua essência e você não, já que Hb 10.25 chama pessoas como você de IMATURO.

O que verdadeiramente impressiona é a sua hermenêutica, exegese nem comento, se não fosse trágica seria cômica, isto porque você atropela seus comentários com versículos que distorcem completamente o assunto, não sabendo discernir quem escreveu, para quem escreveu, com que propósito escreveu, e o mais importante, em que tempo escreveu. Aconselho-te a freqüentar de maneira mais assídua um discipulado, já que teologia para você ainda está muito distante. Comece tomando leitinho para depois comer algo mais consistente, visto que você não tem fundamento bíblico para fazer comentários em blogs. Não irei entrar no hebraico e principalmente no grego original dos versículos que você postou, seria uma perca de tempo e desperdício, visto que você ainda engatinha.

Verdadeiramente fico aturdido com palavras maldizentes e cheias de ódio que o tempestuoso rebelde profere ao meu respeito, distribuindo maldição para tudo que é lado. Mas como a palavra de Deus diz “Porque a boca fala do que está cheio o coração.” Mt 12:34. 

Ah... Eu ia esquecendo. Chamar a Bíblia de “LIVRO E LETRINHAS ESCRITAS EM PAPEL” e um ministro do Senhor de “ALGUÉM QUE FALA EM CIMA DE UM PALCO” é no mínimo ultrajante. Sua ignorância ofusca quem tem um mínimo de educação e instrução.

Estou orando para que pessoas como você sejam alcançadas pela palavra de Deus.

Deus te abençoe!

Entra Mônica Sampaio, a dona do Blog:

A paz.
Interessante, Ricardo André, eu não vejo, em nenhum momento, JESUS CRISTO, PAULO, PEDRO, TIAGO, JUDAS, JOÃO. LUCAS, MARCOS ou MATEUS falando em "hermenêutica", "exegese" e demais termos acadêmicos. Será por que eles NÃO ERAM LETRADOS e MADUROS como você, irmão? É... acho que você e todos os que se apóiam nos ensinos acadêmicos têm muito o que ensinar a eles. Talvez o ensino do próprio JESUS CRISTO esteja muito leigo para você. De toda forma, para quem não gosta de contenda, você está se enquadrando exatamente no perfil que Paulo tanto advertiu Timóteo para não seguir. Quem será Paulo e quem será Timóteo na sua hermenêutica, hein, Ricardo André? Vocês ainda os citam? Ou se perderam nos teólogos que vieram depois deles.
Vamos ao Evangelho puro e simples, e principalmente, à revelação não acadêmica do Espírito Santo. Será que você O conhece ou Ele não frequenta os bancos da sua faculdade de Teologia?
Prefiro ficar apenas e suficientemente com o meu JESUS CRISTO. Amém.
Obs.: A propósito, obrigada pela dica do solecismo que cometi. 
Fique na paz.

Entra Fábio Henrique, o iracundo:

Amigo Ricardo André,

Chamei de igrejeiros todos os freqüentadores de templos, sem exceção. Qual o problema? Ficou com vergonha de alguma coisa? Em nenhum momento citei seu nome, agora, se você é um freqüentador de templo nada vai mudar. Não importa se a palavra igrejeiro é invenção e ainda se eu a escrevesse com g, tanto faz, o sentido seria o mesmo. Também falei dos falsos mestres e já que falou em dialogar vou logo te dizendo que não generalizo, quem me conhece sabe disso e que tenho educação, os falsos mestres que falo são esses: devassos, avarentos, idólatras, maldizentes, beberrões (Ia errando aqui, já havia escrito bebarrões) e roubadores. Repito: Ninguém é inocente, todo mundo sabe o que está fazendo. Os fariseus compreendiam quando se estava falando a respeito deles. Mas se você não é rebelde não tem com o que se preocupar. Espero que não tenha se condoído.

Ainda preocupado com papéis? Papéis não salvam ninguém, nada deste mundo salva. Ah! Não se ofenda com a palavra “palco”, porque tenho que falar do que tenho visto e ouvido, caso esteja ferido aconselho a meditar em um dicionário e escolher um melhor sinônimo que o agrade. 

Entra Mônica Sampaio:

A paz, querido Fábio henrique!
Olha que coisa maravihosa! Deus está em todos os nossos caminhos, inclusive neste cantinho, onde o irmão Ricardo André, a pretexto - consciente ou inconscientemente - de combater heresias, veio demonstrar soberba e presunção. Neste último escrito teu, Fábio, Deus confirmou algo que tem falado, nestes dias, em oração para mim. Louvo a Deus pela tua via, Fábio, e pela vida do Ricardo André também. Glórias a Deus.

Entrei finalizando:

Cara Mônica, Lamento que sua visão seja tão mundana e marketeira acerca da Bíblia! Lamento que você seja amiga e colega de gente tão danosa ao Evangelho;Lamento que na sua cegueira, você leia, e não entenda; ouça, e não discirna; veja e não enxergue; pois, quem diz que algum dia aceitou Jesus e continua na cegueira espiritual e ainda chamar alguém de presunçoso e soberbo é cômico.Lamento que afirmando o que você afirmou, para qualquer um que discirna um mínimo da mente humana, fique impossível não ver quais são suas motivações; e de que material você é.
Lamento que você e seu colega rebelde tenham se tornado seres tão plastificados e tão sem percepção do que é o Evangelho!

Lamento que o que seja elevado entre os homens tenha se tornado o que é elevado para você; e que o que é elevado para Deus, tenha se tornado o que é abominável e desprezível para você! 
Lamento ter que repetir o óbvio: meus irmãos, a História e a Eternidade mostrarão quem estava falando a verdade de Deus e com que motivação! Espere!

terça-feira, 16 de agosto de 2011

SERVO OU ESCRAVO?


No domingo passado, a lição da escola dominical foi "A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO". Como um professor que preza pelo ensino correto e ilibado, eu não poderia deixar de citar o texto original da palavra "servo", que no grego original "Doulos" quer dizer "escravo". 


Bastou este pequeno detalhe, se é que podemos dizer assim, para que acende-se o estopim de incompreensão de alguns irmãos. Uns diziam "Eu não sou escravo, escravo não tem liberdade pra nada, eu sou livre do pecado", outros diziam "Sou livre do pecado, mas sou escravo de Jesus", e ainda outros diziam "Não sou escravo, sou servo, esse negócio de escravidão é pra quem vive no mundo". Caros leitores, acho que deu pra entender o que é ser professor.


Mas gostaria de explicar qual o significado da palavra escravo. A palavra DOULOS (do verbo DEO) no original grego, significa servo.
Romanos cap.1 :1, diz o seguinte: “Paulo servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus.”No texto original deste versículo em grego lemos: “PAULOS DOULOS CRISTOU IESOU KLETOS APOSTOLOS APHORISMENOS EIS EUANGELION THEOU”. (Paulo, um escravo de Jesus Cristo, chamado apóstolo que foi separado para o evangelho de Deus). A Bíblia de Jerusalém traduz o mesmo texto assim: “Paulo, servo de Jesus Cristo. Apóstolo por vocação, escolhido para o evangelho de Deus”. DOULOS (servo) é uma palavra distinta pois revela um sentido de subordinação, obrigação e responsabilidade para com o seu Senhor.


Paulo ao apresentar-se como apóstolo, apresenta-se como “servo de Cristo Jesus”. A palavra DOULOS que Paulo usou é mais do que servo, significa escravo. Um servo tem a liberdade de ir e vir, de ligar-se a outro amo, mas um escravo é possessão de seu amo para sempre. William Barclay diz que quando Paulo se chama de escravo de Cristo Jesus, o faz por três motivos.


Em primeiro lugar, deixa claro que é possessão absoluta de Cristo. Jesus o amou e o comprou mediante um alto preço (1 Co. 6.20). Por isso, não pode pertencer a mais ninguém além de Jesus Cristo.


Em segundo lugar, deixa claro que deve a Cristo obediência absoluta. O escravo não tem vontade própria; sua vontade é fazer a vontade do seu senhor. As decisões do seu senhor são as que regem a sua vida. Paulo não tem outra vontade senão a de Cristo. Seu projecto de vida é obedecer a Ele.


Em terceiro lugar, deixa claro que ser servo de Cristo é a maior honra. Esse é o mais elevado dos títulos. A escravidão cristã não é uma sujeição humilhante e degradante; pelo contrário, como disse Agostinho, quando mais servos de Cristo somos, mais livres nos sentimos. Ser escravo de Cristo é ser rei. Ser escravo de Cristo é o caminho para a liberdade perfeita. Porque somos escravos de Cristo, somos livres da penalidade, da escravidão e da degradação do pecado.