sábado, 27 de agosto de 2011

O CRISTÃO E AS OFERTAS

Gostaria de destacar alguns pontos que acredito são claramente expostos na Bíblia, quanto a isto, buscando um equilíbrio neste assunto tão delicado que são as ofertas na igreja.
1) Tudo que existe pertence a Deus. Ele é o Senhor de tudo e de todos. Nossos recursos não são nossos. Nem os da Igreja. Somos administradores dos bens que Deus nos confiou. (Mordomia cristã)

2) O dinheiro em si não é nem bom nem mau, dependerá do uso que fizermos dele e da nossa atitude para com ele. Podemos usar o dinheiro ou sermos usados por ele. Podemos usar o dinheiro para viver, ou viver para o dinheiro. O dinheiro, quando bem empregado, torna-se bênção para a vida de muitos.

3) A Igreja de Cristo, enquanto neste mundo, tem gastos e despesas com prédios, pessoal, impostos, salários, obra missionária e obra social. Para cumprir estes compromissos, ela busca recursos entre seus membros. Todos os que participam de uma igreja devem contribuir generosamente para a manutenção da mesma, não por obrigação, mas por entender a tarefa e a natureza da Igreja.

4) Toda contribuição para a Igreja é voluntária. Ela deve ser feita com amor, despreendimento e generosidade. Quem contribui para a Igreja deve fazê-lo sem esperar nada em troca, nem favores divinos e nem privilégios humanos. O Senhor Jesus disse que nossa mão direita não deve saber o que faz a esquerda, quando se trata de dar e contribuir.

5) A contribuição para a Igreja deve ser vista como um ato do culto que prestamos a Deus. Dar para a Igreja não é a mesma coisa de pagar uma mensalidade ou a prestação do seu carro ou de sua casa. Por este motivo, muitas igrejas separam um momento no culto onde os crentes, deixam suas contribuições diante do Senhor. No Antigo Testamento, o povo de Deus entregava suas contribuições em meio a cerimônias religiosas cuidadosamente planejadas para destacar a soberania de Deus sobre todas as coisas e nosso dever se servi-lo inclusive com nossos bens.

6) Nossas contribuições para a Igreja não compram benefícios da parte de Deus. É verdade que Deus prometeu abençoar e recompensar os que ofertam de coração alegre, mas esta bênção é gratuita e não deve ser vista como "comprada" por dinheiro. Isto seria uma grave ofensa diante de Deus. Simão Mago pensou que podia comprar com dinheiro o dom do Espírito Santo, mas foi rejeitado radicalmente pelo apóstolo Pedro.

Precisamos ter muito cuidado ao tratarmos destas coisas na Igreja. Dinheiro e religião é uma mistura potencialmente explosiva. Os princípios, regras e limites precisam estar claramente delineados.

3 comentários:

  1. Adorei a colocação, penso asim!!!

    ResponderExcluir
  2. Nem dizimos,nem ofertas,O que esta instituido para contribuiçâo na Igreja(Congregaçâo),desde a Era Apòstolica,Sâo as 'Santas Coletas",(1ºCor.16:1,2-(2ºCor.8:1-24).-arc-ibb

    ResponderExcluir
  3. O Dizimo era uma observância que era usual segundo a lei de Moisès(Jôa.1:17),administrada entre os levitas segundo a Lei(Hb.7:5)e nâo è nem nunca foi feita com DINHEIRO e sim com;FRUTO DAS ÀRVORES,SEMENTE DO CAMPO,isto è;tudo do campo se dizimava e dai também AS OFERTAS todos a 10ºparte.(Lev.27;30).

    dizimo e oferta em dinheiro e voluntaria,´e um equivoco,digo melhor,UM ERRO das Igrejas (denominações)!..

    ResponderExcluir