domingo, 4 de setembro de 2011

PESSOAS OU COISAS

O primeiro princípio básico do hierarquismo, acerca do qual se pode esperar concordância geral é que as pessoas são mais valiosas do que as coisas. É por isso que as pessoas devem ser amadas e as coisas devem ser usadas. E, inversamente, as coisas não devem ser amadas e as pessoas não devem ser usadas. Nas palavras de Kant, as pessoas devem ser tratadas como fins mas nunca como meios. Ou nas palavras de Martin Buber, deve-se manter um relacionamento eu-tu com pessoas e um relacionamento eu-isso com as coisas. Ou seja, nenhum outro sujeito deve ser tratado como mero objeto, mas, sim, como outro sujeito com sua própria subjetividade e liberdade.

Várias implicações deste princípio podem ser notadas. Em primeiro lugar, as pessoas são intrinsecamente superiores às coisas, porque os sujeitos são mais valiosos do que meros objetos. Um sujeito pode olhar outras coisas como objetos (até mesmo a si próprio), mas um objeto não pode conhecer nem a si mesmo nem a outro objeto. 


Aonde quero chegar? Infelizmente no meio cristão alguns ministros, irmãos e vocacionados só fazem alguma coisa na obra de Deus em troca de algo palpável, como se Deus fosse comprar os seus serviços. Então não seríamos cristãos, mas sim prestadores de serviços de Deus. Seria bom que meditássemos em MT6.25-33.

É bom sabermos que as bençãos de Deus são inegociáveis e específicas. Também é bom sabermos que benção é totalmente distinto de salvação.

Meditemos nisso e ofereçamos nossa gratidão ao Senhor sem esperarmos algo em troca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário