quarta-feira, 7 de abril de 2021

CORONAVIRUS

 

Em certas ocasiões da nossa vida pensamos que Deus nos abandonou, pois a sensação de vazio e solidão é total. Mas quando lemos em Hb. 13.5 última parte, vemos que Ele é um Deus presente e que, mesmo nas horas difíceis tem cuidado de nós.

Por mais que nos achemos fortes, não temos a ideia de como somos frágeis e dependentes de Deus. A premissa de que podemos fazer o que quisermos da nossa vida, nos trás uma falsa sensação de poder e vaidade. Vou aqui contar o que aconteceu comigo quando fui diagnosticado com a Covid-19, e como foi a minha experiência com Deus nesse momento tão angustiante.

No dia 20 de fevereiro comecei a sentir pela madrugada uma dor de cabeça e uma pequena febre, na manhã seguinte saí com minha família e não senti mais nada. A noite quando deitei  e relaxei não consegui mais levantar. Na manhã seguinte a fraqueza que sentia era surreal, não conseguia ficar de pé. É justamente nestes momentos que nós como cristãos elevamos nossas orações a Deus para que Ele entre com providência de cura em nossa vida.

O grande problema é: E quando Deus não responde? Você ora, clama, chora, grita, desfalece e não vê nenhuma resposta de Deus. Nessas horas se o cristão não estiver convicto da fé que professa, simplesmente começa a duvidar do amor de Deus. A sensação de abandono é total, a solidão, a angústia toma conta do ambiente e a vontade que temos é de sumir. Quarto escuro, frio constante. Lembro-me do balançar da cortina como açoite em mim. Cada disparo do compressor do ar condicionado era um susto. Não tinha forças nem para pegar no celular e enviar alguma mensagem seja escrita ou falada. Cada centímetro do quarto eu contei, foram 30 dias de angústia e terror. Dia após dia e não via melhoras nem resultado nenhum das medicações. E o pior, nenhuma resposta de Deus. Como foram dolorosos aqueles dias

Hoje eu entendo plenamente Asafe quando escreve o Salmo 73.17 que diz “Até que entrei no santuário de Deus”. Deitado sem forças, com febre e clamando a Cristo lembro-me que adormeci e logo em seguida acordei. Lembrando que já tinha se passado quase 20 dias. Só que acordei de forma diferente, ainda com febre e fortes dores de cabeça, mas numa paz e tranquilidade que a tempo não sentia. Nesse momento comecei a meditar na palavra de Deus e era como o Senhor estivesse ali conversando comigo e me perguntasse: Onde está teu diploma agora? E o teu cargo na igreja? Tua sabedoria, onde está? Poderia eu curar-me? Bacharel, pós, mestrado e doutorado poderiam me tirar daquela situação? Onde estaria a minha força e como eu poderia usá-la naquela hora? Fraco, quase desfalecendo, respirando com dificuldade, febre, sem paladar e olfato. Como eu poderia sair daquela situação sem o favor de Cristo.

Hoje curado, levo pra toda minha vida esta lição de que não somos absolutamente nada sem a misericórdia de Deus. Aqui podemos alcançar os maiores diplomas e maiores cargos profissionais e eclesiásticos, se Jesus não estiver como sua prioridade nem tente. Como somos fracos, mesquinhos, dependentes do seu favor e misericórdia. Nossa vaidade será nossa recompensa distante da vontade de Deus. Mas Deus é misericordioso, clemente e que nunca nos desamparará. Voltemos ao primeiro amor.

Agradeço todos os dias ao Senhor Jesus por me dar mais esta oportunidade de vida e levar através deste humilde blog a palavra de Deus.

 Autor: Ricardo

Crédito da imagem: bbc.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós.